hoc silentium tormentis est
marius quitanam

(accommodatæ: helium magellanicum olivam)


Silentium fit cruciatus,
factum est autem in non reales Calendis,
luna tamquam videntes per gradus
in hospitali quosdam dorms.
In lunam, fortissimo viro supportabant porticus
Sunt reluctanti obstruitur, sicut in vitree
Lunam et frigore trahit mœnibus
Arcanum exspiravit fenestras ...
O silentio est, in medio mari,
alba, cum incerta lunares putaverunt phantasma esse,
Velut somnium: Navis hæc venit ...
navis non in portubus
ebore mali, auro velorum,
plena erat mortuus omnes pueros....


Este silêncio é feito de agonias
Mario Quintana, in: A Rua Dos Cataventos


Este silêncio é feito de agonias
E de luas enormes, irreais,
Dessas que espiam pelas gradarias
Nos longos dormitórios de hospitais.
De encontro à Lua, as hirtas galharias
Estão paradas como nos vitrais
E o luar decalca nas paredes frias
Misteriosas janelas fantasmais...
Ó silêncio de quando, em alto mar,
Pálida, vaga aparição lunar,
Como um sonho vem vindo essa Fragata...
Estranha Nau que não demanda os portos!
Com mastros de marfim, velas de prata,
Toda apinhada de meninos mortos...