ducit
Antonius Zambuia
(accommodatio: helium magellanicum olivam)

ego transgressus mare
sine caritate tua ut ducis
tantum in sinum demandavi meo
et uentus Aquilonem, qui secuti me.

vinci montes lacrimis
vinci frigida deserta
tempestatem memoriæ
sed tu magis non volui,
tu iam non voluit me.

et scrutatus est terra,
in unaquaque ortu unda,
Sol excæcant oculos meos,
nocte perdidi te.

interius cogitant
omnis conversus nostalgia
Aqua enim, Salis et doloris
quia non voluit me
tu non vis me amplius.

mense Augustus in litore, et somno suscitatus sum
cumque ver advenit, et nova flores in torum
ego de omnibus coloribus, ad eos molliter cantavit.

in abscondito locutus sum, in memoria passionis
non excitare desiderium, non inducit timorem,
amor enim, vitæ somnia.

sed tu magis non volui,
tu iam non voluit me …
tu iam non voluit me …


Guia
Antonio Zambuja

Atravessei o oceano
Sem o teu amor de guia
Só o tempo no meu bolso
E o vento que me seguia

Venci colinas de lágrimas
Desertos de água fria
Tempestades de lembranças
Mas tu já não me querias mais, mais
Tu já não me querias mais

Procurei a terra firme
Em cada onda que subia
O sol cegava meus olhos
Toda a noite eu te perdia

Lá dentro no pensamento
Virou tudo nostalgia
Água, sal e sofrimento
Porque tu não me querias mais
Tu não me querias mais

Já era Agosto, quando acordei na praia
E vi chegar a primavera, fiz nova cama de flores
Lembrei de todas as cores, cantei baixinho pra elas

Hoje falo em segredo, nessa paixão esquecida
Pra não acordar saudade, pra não despertar o medo,
Pois um amor de verdade, sonha pró resto da vida.

Mas tu já não me querias mais,
Tu já não me querias mais...
Tu já não me querias mais...