cor autem nox
edu lupus
(vulgata: helium magellanicum olivam)

Cor meum pulsat tardi
tamquam tympanum
est vestigium animum,
tenens mea desperationem,
simillis ventus mixturis
qui transit in capillos
cor meum pulsat tardi
cor meum pulsat patet,
quasi malleus
pulsat in singulari modo,
obsignata iam inopia
a catenam nectunt vacuus
in dolore absque instaurabo
cor meum pulsat patet,
percutit cor meum
sicut rivulo
errantem in deserto
pictura in sanguine meo,
labia mea et aperiens contemptum,
in vulnere,
cor meum pulsat ita sileas.

cor meum pulsat nigrum,
cantico ut sine antiphona,
sicut a serpens in navi
agnus in silentio
lingua morsuque ex a flagellum
nox et vespertilionem
cor meum pulsat nigrum,
lingua morsuque ex a flagellum
nox et vespertilionem
cor meum pulsat nigrum,
nox et vespertilionem
cor meum nigrum...

Coração Noturno
Edu Lobo

Meu coração bate lento
Como se fôsse um pandeiro
Marcando meu sentimento
Retendo meu desespêro
Como notícia do vento
Passando no meu cabelo
Meu coração bate lento
Meu coração bate claro
Como se fosse um martelo
Num rumo sem paralelo
Selando meu desamparo
Numa corrente sem elo
Numa aflição sem reparo
Meu coração bate claro
Meu coração bate quieto
Como se fosse um regato
Vagando pelo deserto
Sangrando no meu retrato
Abrindo meu desacato
Num ferimento coberto
Meu coração bate tão quieto

Meu coração bate negro
Como cantiga sem mote
Como a serpente num bote
Rompendo no meu sossêgo
Lambendo feito chicote
Noturno feito morcêgo
Meu coração bate negro
Lambendo feito chicote
Noturno feito morcêgo
Meu coração bate negro
Lambendo feito chicote
Noturno feito morcêgo
Meu coração bate negro