amor dormit
helium magellanicum olivam

si dico amor tristis est
mutum ex locutiones ad mundo
terram absque auditu, nulla in re quicquam
Quis audivit? quia ossa non gementes
et lucerna abiit tam tardus ...

Quondam cum obscene luce, quæ prominebat
amoris fulgur, nunc non turbarentur est
cæcus, turbida arta vitiatur
perdidit in frustra petitiones est
et nuntiata, etiam si digito moventes.

Vincere non dulcedinem amaritudo
sententia contagio, nauseæ
in tantum quod voce strepente
Ut audiam qui blasphemaverint
oblitus fecit olim dilexit, libidinosa.

finita in semitas Sulphureum
rancidum nodis - et ligatis manibus
terminatum est, et cecidimus Omega
relictis tantum in interiorem hominem
et tandem meum lasso corde!


o amor adormece
Hélio Magalhães de Oliveira

Se eu contar como o amor está triste
locuções de um mudo ao mundo
orbe sem ouvidos, nem interesse
quem ouviria? ossadas não gemem
e lamparina se apaga então morosa...

Outrora com'a luz obscena, vistosa
relâmpagos de amor já nem tremem
cego, embaciado, por um triz apodrece
vãos pedidos perdidos d'um moribundo
mesmo anunciados, dedo em riste.

Amargor que o doce não reconquiste
sentimento infeccioso, nauseabundo
um clamor que a mim só ensurdece
ouço apenas aos que blasfemem
surdo a outrora amada, libidinosa.

Finda fortuna em trilha sulfurosa
rançosos nós - nos algemem
e põe termo, o ômega desvanece
restando puramente o eu profundo
e meu lasso coração que enfim desiste!