Visionibus noctis
Fagundes Varela
(vulgata: helium olivam)

Transibo tristes umbræ!
quid de mulieribus, quæ
dilexisti purus et mitis?
quidam devorabit nigri amaritudinis,
aliis iacent in marmore lectum!

Alii autem in re persequi fatale
quærite Saturni, nocte tenebræ,
ubi est, mutuum dare decorem,
Tibique reddunt aurea dixit dæmonium habes

Et non amplius amor! non magis passione!
est tremulas passionem magis!
et calor parvus in cordibus.

Perdidisse hallucinantur de tenebris pallida,
vacua est anima mea adfectus
Transite, non parcatis meæ.


Visões da Noite
Fagundes Varela

Passai, tristes fantasmas! O que é feito
Das mulheres que amei, gentis e puras?
Umas devoram negras amarguras,
Repousam outras em marmóreo leito!

Outras no encalço de fatal proveito
Buscam à noite as saturnais escuras,
Onde, empenhando as murchas formosuras,
Ao demônio do ouro rendem preito!

Todas sem mais amor! sem mais paixões!
Mais uma fibra trêmula e sentida!
Mais um leve calor nos corações!

Pálidas sombras de ilusão perdida,
Minh'alma está deserta de emoções,
Passai, passai, não me poupeis a vida!