Via molendinum
marius quintanam

(accommodatæ: helium magellanicum olivam)

Primum tempus quod occisum a me:
perdidi ex meus risus.

Deinde, quotienscumque me occidere,
et tulit aliquid aliud a me.

Hodie, inter omnia mortuum quia ego sum,
nudus sum, et qui non habet quidquam aliud.

Radice flava candela ardet,
solum quod est bonus mecum.

Veni! corvi, habitaculum draconum, latronum!
Manu enim illius et gibbosus est et parci
Nulla trahens sacra lucem.

Noctis avem! Horror alis? alte volant!
Ut lux et tremens, sicut enim tristitiam meam.
Luce de mortui numquam inextinguibilem!


A Rua dos Cataventos
Mario Quintana

Da vez primeira em que me assassinaram,
Perdi um jeito de sorrir que eu tinha.

Depois, a cada vez que me mataram,
Foram levando qualquer coisa minha.

Hoje, dos meu cadáveres eu sou
O mais desnudo, o que não tem mais nada.

Arde um toco de Vela amarelada,
Como único bem que me ficou.
Vinde! Corvos, chacais, ladrões de estrada!
Pois dessa mão avaramente adunca
Não haverão de arrancar a luz sagrada!

Aves da noite! Asas do horror! Voejai!
Que a luz trèmula e triste como um ai,
A luz de um morto não se apaga nunca!