Revertimini ad me nocte
Nuno Iudice
(vulgata: helium olivam)

vox tua,
quod dilexi,
verba tua
numquam obliviscar.
Revertere ad me
absenti ne turbida ad vitrum memoriæ
nec reverteris in speculo oculis hebes.
convertero labiis tuis,
cuis osculum
somniavi in æstuario,
obducto indutus in a caligo;
profert matutina tecum
quasi mane in quo
somnium ad omnibus naufragus.


Volta até mim no silêncio da noite
Nuno Júdice

a tua voz que eu amo, e as tuas palavras
que eu não esqueço. Volta até mim
para que a tua ausência não embacie
o vidro da memória, nem o transforme
no espelho baço dos meus olhos. Volta
com os teus lábios cujo beijo sonhei num estuário
vestido com a mortalha da névoa; e traz
contigo a maré da manhã com que
todos os náufragos sonharam.