Patriam nostram
olaf bilaspour

(accommodatæ: helium magellanicum olivam)

Diliget terram in qua nata sumus, cum fideque superbia et.
Puer? nusquam alibi et invenies similis patria!
cælum intueri! respice ad mare!
influunt flumina! Concedite silvæ!
Natura hic sit semper ludit
sicut affectio matris pectus plena.
Vide quanta vitam crevit in terra?
videatur in quantum vita est nidis,
Quod in ære volare cœperit, et in ramis vagis?
Ecce lux et videatur quanta æstus.
videatur ingens turba bestiarum exterminati sunt!
Vide tantam silvis --
ubi lucere uberior regnat ver?

Bene terra! Non negavit, qui operatur
non famem panis neque tectumque præsidium...

Qui, cum sudore, et lacrimis fecundat terram,
Videt conatus solvit eum, beatum est, et eamque multiplici!

Puer? nusquam alibi et invenies similis patria:
Imitari vobis magnitudinem terræ in qua nati.

A PÁTRIA
Olavo Bilac

Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste!
Criança! não verás nenhum país como este!
Olha que céu! que mar! que rios! que floresta!
A Natureza, aqui, perpetuamente em festa,
É um seio de mãe a transbordar carinhos.
Vê que vida há no chão! vê que vida há nos ninhos,
Que se balançam no ar, entre os ramos inquietos!
Vê que luz, que calor, que multidão de insetos!
Vê que grande extensão de matas, onde impera
Fecunda e luminosa, a eterna primavera!

Boa terra! jamais negou a quem trabalha
O pão que mata a fome, o teto que agasalha...

Quem com o seu suor a fecunda e umedece,
Vê pago o seu esforço, e é feliz, e enriquece!

Criança! não verás país nenhum como este:
Imita na grandeza a terra em que nasceste!


In: BILAC, Olavo. Poesias infantis. 18.ed. Rio de Janeiro: F. Alves, 195