Non amo te
ALMEIDA GARRETT 1799-1854

(accommodatæ: helium magellanicum olivam)

Non amo te, volo te: amandum est ab anima.
Et in anima --- habent et tranquillitas,
Et cessabit ---congerie mortuorum vigilabit
Illic! Non amo te, no.

Non amo te, volo te: amor est vitæ.
--- vita sentitur
Iam ego mecum est.
O, non amo te sine?

Eheu! Non amo te, nullum; Volo enim vos modo, et
Appetitus bruti feroces
Quod sanguis comedit me:
non pervenire ad cor.

Nolite diligere. Quam pulchra es; et ego non amo te, Domine pulchritudinem.
Qui diligit sidus eructationibus.
Lumine adverso tempore
Exitio tuum?

Volo autem vos, et non amare, qui coactus est,
In malam fortunam miraculo
Hoc furore indignus.
Sed heu! Non amo te, no.

Et ego illi obesse debere, quia ego tecum; atque adeo
Mirantur quod ego ipse,
Et terror vester ...
Sed amorem? ... Ego non amare te nec.


NÃO TE AMO
ALMEIDA GARRETT 1799-1854
poeta predileto de meu trisavô...(segundo meu bisavô)

Não te amo, quero-te: o amar vem dalma.
E eu nalma --- tenho a calma,
A calma --- do jazigo.
Ai! não te amo, não.

Não te amo, quero-te: o amor é vida.
E a vida --- nem sentida
A trago eu já comigo.
Ai, não te amo, não!

Ai! não te amo, não; e só te quero
De um querer bruto e fero
Que o sangue me devora,
Não chega ao coração.

Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
Quem ama a aziaga estrela
Que lhe luz na má hora
Da sua perdição?

E quero-te, e não te amo, que é forçado,
De mau feitiço azado
Este indigno furor.
Mas oh! não te amo, não.

E infame sou, porque te quero; e tanto
Que de mim tenho espanto,
De ti medo e terror...
Mas amar!... não te amo, não.