Ego non
claudia marczak
(verba accommodatio: helium magellanicum olivam)

ego non tempore vinctus.
nec iacta anchoram in somnis
In solo arido huius vitæ meæ vix mediocri.
ego lux oculis meis volitantem.
inter cælum et infernum,
quod pœtica accipit mihi.
rara gemma est quæritis
A risus singula
plena dolentis et cupidum mirum.
navigo inter obscuros
voluntas et angustiis meis
Nescio quid de aliquid.
veni vitam, deinde,
vitæ in me
velut pugione
conscissis tunicis dubia nostra.
secabit necessitudines.
tenet ad fieri potes me.
ego quicumque habet possessus
ego mundo.
ego vitæ sum.
speculum quæ ego nunquam esse.


Não sou...
Cláudia Marczak

Não sou prisioneira do tempo
Nem ancoro meus sonhos
No solo árido da minha vida medíocre.
Deixo meus olhos flutuarem
Entre céus e infernos
Que a poesia me leva.
Procuro a jóia rara
De um sorriso único
Repleto de angústia e surpresa.
Navego obscura entre
meus medos e meus desejos
sem ter certeza de nada.
Que venha a vida, então,
E penetre em mim
Como um punhal
Rasgando minhas dúvidas
Cortando as amarras
Que me prendem ao possível.
Pertenço a quem me possuir,
Sou do mundo.
Sou minha vida.
Sou o espelho do que jamais serei.