Carmina pro Carolus Drummondi Andradis
Ioannes Maimonam: In via de acerbissima rerum

(accommodatæ: helium magellanicum olivam)


iterum bis omnia utilis
quæ non vident
et in via sunt
in media via.

Clausis oculis tuis
quia verba flores
qui ardet in margine viæ
oculi tui fulget.

cum ante caligabant oculos tuos
spem ante artem
scripta sunt in maculis nudis pedibus,
ambulans per viam in rerum.

Clausis oculis tuis
ad modum corpus movere
et solus vidi lapis
in obvios exceperunt.


Poema para Carlos Drummond de Andrade
No meio do caminho tinha uma pedra. C.D.A.

É útil redizer as coisas
as coisas que tu não viste
no caminho das coisas
no meio do teu caminho.

Fechaste os teus dois olhos
ao bouquet  de palavras
que estava a arder na ponta do caminho
o caminho que esplende os teus dois olhos.

Anuviaste a linguagem de teus olhos
diante da gramática da esperança
escrita com as manchas de teus pés descalços
ao percorrer o caminho das coisas.

Fechaste os teus dois olhos
aos ombros do corpo do caminho
e apenas viste uma pedra
no meio do caminho.

No caminho doloroso das coisas.
- João Maimona, em 'Esperança dos passos',
no livro "Traço de união". Luanda: União dos Escritores Angolanos - UEA, 1987, p.19.