ludovicus camoens honorem Dei
Dantis Mediolanensis
(verba accommodatio: helium magellanicum olivam*)

Per affectum exprimunt,
Sensi autem quotiens legendo
Quam maius caritas fuit
Actu, non solum ratione.
Artis excogitatio tum quid amor
et quid amor invention
ita adfici est per frustra
æris non est in me et halitus meus intercluditur.
Nescio si tribuit, nescio vos spiritum accipere.
Saporem amoris est hoc halitus,
Hoc anxietatem de gemitibus male diffusa,
In dilectione, quam magna est ær,
De ære plena opus mirabilem!
Et sic, æmulari esse qui ventum tua carmina,
Primo imitantur amorem tui, camoens.

[*et subscribes interpretis sui]


Homenagem a Camões
Dante Milano

Através de imitado sentimento,
Ao ler-te quanta vez tenho sentido
Como é muito maior o amor vivido
Em ato, não, mas só em pensamento.
Então invento o que amo e amo o que invento
Em coisas sem razão tão comovido
Que o ar me falta e o respiro comprimido.
Não sei se dá, não sei se tira o alento.
Sabor de amor é este alto respirar,
Essa angústia em suspiros mal dispersos,
Em amor, que importância tem o ar,
O ar, cheio de fantásticas ações!
Assim, aquele que imitar teus versos,
Primeiro imite o teu amor, Camões.